quarta-feira, 22 de junho de 2011

Bandidos levam R$ 200 mil de caixa da Rodoviária

Seguranças revidaram e houve tiroteio; por sorte, ninguém se feriu Arquivo


A Rodoviária, no centro de Cuiabá, estava com movimento intenso na hora do tiroteio

DA REDAÇÃO

Três homens armados renderam dois vigilantes e levaram R$ 200 mil de um caixa eletrônico do Bradesco, na Rodoviária de Cuiabá. Os vigilantes são da empresa Protege e reabasteciam o caixa eletrônico, quando foram abordados pelo trio.

Os seguranças reagiram e houve troca de tiros. A Rodoviária estava com movimentação intensa de populares, porém ninguém se feriu.

Segundo informações da Polícia Militar, os três assaltantes estavam em uma moto Honda XL 600. Um dos assaltantes foi reconhecido como sendo um jovem que responde pelo apelido de "Marreta" e que moraria no Jardim União.

Marreta foi reconhecido por um policial da reserva que estava no local na hora do crime. O assalto é investigado pelo Grupo de Combate ao Crime Organizado (GCCO), órgão ligado à Polícia Civil, e até o momento ninguém foi preso

Vigilantes em Alta

 
O mercado de segurança privado "explodiu" no Brasil nos últimos anos, segundo uma reportagem do jornal francês "Le Figaro" nesta quinta-feira.
O jornal explica que a falta de segurança nas grandes cidades brasileiras está fazendo da ocupação de "consultor de segurança" uma "profissão em pleno desenvolvimento".
Em São Paulo, diz o "Figaro", em média 800 pessoas por dia são assaltadas e roubadas.
"A escassa presença de policiais na rua, junto com uma alta delinqüência nas grandes cidades, aterroriza as classes médias", afirma o artigo.
"Não se passa um dia sem que um jogador vedete de futebol não tome conhecimento de que um membro de sua família foi seqüestrado."
O diário francês descreve a nova modalidade de crime brasileira, o falso seqüestro, em que criminosos fingem seqüestrar parentes de suas vítimas e negociam "resgates" por telefone.
Um consultor ouvido pela reportagem diz que a profissão rende R$ 500 por hora de trabalho.
Os negócios das companhias do setor de segurança superaram US$ 1 bilhão em 2006, um crescimento de 14% em relação ao ano anterior, afirma a correspondente do jornal.
"O Brasil já conta com mais de 1,5 milhão de câmeras de segurança, das quais 80% em São Paulo, e 600 mil vigilantes, mais que os efetivos do Exército, a Marinha e da Polícia Militar juntos", relata o "Figaro".
"Sintoma mais recente da paranóia ambulante, mais de 90 proprietários de casas já instalaram em seu subsolo bunkers de sobrevivência onde podem se refugiar se forem vítimas de um ataque."
"Equipados com sistemas elétricos próprios, reservas de água e alimentos não perecíveis, estas mini-fortalezas permitem viver até um mês em isolamento."

A História da Segurança Privada

Se entendermos que a vigilância está relacionada com a protecção de algo, sejam pessoas ou bens, teremos que remontar à pré-história e tomar como dado adquirido que, o início da vigilância se dá quando o homem vigiava a entrada da sua caverna tentando assim não ser surpreendido, por animais ferozes ou mesmo, outros trogloditas de outras tribos.
Desde os primeiros habitantes da terra passando pela era da agricultura de subsistência, em que a humanidade dava os primeiros passos da socialização, do consumo e da definição dos meios de produção; para a era da industrialização de massa, em que passou a consumir bens e serviços e, daí para a era da informação instantânea, em que passou a comunicar-se "on-line/real time", o factor segurança passou por um longo processo de mudança. A segurança instintiva e de sobrevivência passa a ser interpretada como uma arte. Muito tempo depois, começa a sair do empirismo e começa a ser vista como uma ciência que precisa ser estudada continuamente.
Não há, portanto, uma data específica para este início mas apenas “um tempo” à distância de alguns milhões de anos. A questão da segurança como defesa, sensação de está seguro, protegido contra os riscos é tão antiga quanto a existência do homem. Com a evolução do mundo, os riscos foram aumentando e já no século XVI, na Inglaterra, surgiam os primeiros “vigilantes”. Eram pessoas escolhidas por serem hábeis na luta e no uso da espada, remuneradas por senhores feudais, com os recursos dos impostos cobrados aos cidadãos.
Avançando no tempo, é no ano de 1850 que se conhece a primeira empresa de vigilância, a Pinkerton, nos Estados Unidos da América, quando o Norte-Americano Allan Pinkerton organizou um grupo de homens para dar protecção ao então presidente Abrahan Lincoln. Nascida como corpo de detectives e posteriormente, ainda nessa década, fazendo serviços de vigilância a valores e outros serviços de guarda-costas. Em 1852, que, devido às deficiências naturais do poder público, os americanos Henry Wells e Willian Fargo, criaram a primeira empresa de segurança privada do mundo, a Wellfargo.
Na Europa, a vigilância é um subproduto da revolução industrial e aparece na segunda metade do século XIX, um pouco por toda a parte, mas com grande incidência em Inglaterra e França, principalmente. Nesta época será necessário entender que a industrialização levou à feitura de bens em larga escala, sua armazenagem em condições menos boas ou precárias, e para além dos furtos, que sempre existiram, havia ainda o perigo maior dos incêndios. A necessidade de vigilância enquanto trabalho específico nasce exactamente destes pressupostos.
A partir do início de 1900 a vigilância cresce nos EUA com outras empresas e estende-se por toda a América do Norte e desta, para a América Latina. Só muito mais tarde, passados quase 100 anos (em 1996) é que uma empresa Americana, a Pinkerton aposta na Europa, havendo já nessa altura muitas empresas de vigilância activas.
Portanto, a vigilância como protecção de pessoas e bens na Europa, tem início por volta do ano de 1920, alargando os seus horizontes para o Norte e Sul, nos anos seguintes.
Em Portugal, a primeira empresa de vigilância que se conhece em actividade, dá pelo nome de Custódia - Organização de Vigilância e Prevenção, lda., com escritura feita no cartório de Sintra, em 17 de Maio de 1965. (Ver DR nº147 – III Série de 24 de Junho de 1965). Foi fundada por suecos que eram na época, (alguns ainda o serão) accionistas da Securitas BV da Suécia.
Durante os seus dois primeiros anos manteve o nome, depois chamou-se Custódia/Securitas ainda durante um ano e depois, veio a chamar-se, já em 1975/76, Securitas-Vigilância e Alarmes, SARL. Hoje, como se sabe é Securitas - Serviços e Tecnologia de Segurança, SA.
Por volta dos anos 80 dá-se a proliferação das empresas de vigilância, e tudo leva a crer que o motivo para tal crescimento tenha sido a criminalidade do pós 25 de Abril.
Algumas dessas empresas eram formadas por ex-empregados da Securitas, umas maiores e outras menores, ficando na nossa memória nomes como a Ronda, a Sonasa, Grupo 8, Transegur, e outras mais. Na década de 90 aparecem no mercado empresas de vigilância que nada têm a ver com a Securitas, SA e apenas para citar alguns nomes conhecidos, a Prossegur espanhola, a Charon da Sonae (ou a ela ligada), a 2045 relacionada com ex-comandos, etc.
A falta de disciplina e de ética profissional sobre as leis do mercado, que se manifestaram em muitas empresas, levaram ao aparecimento da figura do Estado como entidade reguladora, através do MAI-Ministério da Administração Interna e de associações de empresas de vigilância como a AESIRF e a AES.
Por outro lado, a competitividade agressiva do mercado da vigilância tem levado a que, algumas empresas tenham adquirido outras para manterem determinadas carteiras de clientes, e com isso, tenham igualmente dispensado muitos colaboradores, que é o mesmo que dizer, deitado fora muito investimento, muito conhecimento e experiência adquirida.
Nota-se principalmente nas empresas grandes uma lacuna no que respeita à cultura empresarial, ao amor à camisola, que será por outras palavras, a perca da alma que fazia vibrar as empresas por dentro e igualmente, dentro de cada colaborador, levando-as ao sucesso.
Cada vez é mais difícil entrar para uma empresa de vigilância pois exige-se tudo aos candidatos. Algumas coisas será por força do MAI outras, por exigência da empresa e enquanto isto, a empresa é cada vez mais despersonalizada, e um empregado, ao qual se exige a melhor colaboração, é apenas um número para a sua chefia. É pena.
Voltando ao contexto português a vigilância torna-se necessária nos anos 60 por questões da prevenção do fogo, algum furto interno, desperdício de recursos de energia eléctrica e de água, pala além da presença humana sempre permanente.
Com o rolar dos anos as necessidades de segurança vão-se tornando mais exigentes e hoje, ao que parece, em qualquer empresa, a força maior está no crime em todos os seus aspectos.
Torna-se cada vez mais necessário que os agentes saibam praticar uma prevenção bem concebida de raiz, que haja disciplina no cumprimento das ordens e acima de tudo, sejam especialistas da sua função o que só se consegue com uma muito boa formação o que, infelizmente não acontece salvo raras excepções.
Por volta dos anos 70 aparecem no mercado os “ alarmes “ que propõem aos clientes, em geral, o binómio homem/tecnologia, muito útil e eficaz quando é de facto pensado para a prevenção efectiva, ou seja, alguém está no terreno para acudir de imediato. Nos anos 70 ainda, por força igualmente do crime generalizado, começa a florescer o serviço de transporte de valores.
O mercado da segurança em Portugal tem vindo a conhecer uma expansão sem precedentes, permitindo às empresas mais apetrechadas, e com maior variedade de serviços e produtos, tomar a liderança, do mercado.
Direi então para terminar, que actualmente, os serviços de vigilância se dividem em duas grandes áreas: A humana e a técnica.
A humana, com a vigilância em geral e os transportes de valores; a protecção e acompanhamento de pessoas; a protecção de recintos desportivos; a protecção de bares e discotecas e/ou recintos com pista de dança.
A técnica, com os sistemas de detecção de intrusão; detecção e extinção do fogo; circuitos fechados de TV e controlo de acessos.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Vigilante e Medico são baleados dentro de unidade de saúde no Agreste

Um homem não identificado invadiu a Unidade Mista de Saúde do município de Jupi, no Agreste e atirou num médico e em um vigilante do local. De acordo com a polícia, o homem chegou na unidade de saúde procurando pelo médico Paulino Vigente Neto, que estava na recepção assistindo televisão com o vigilante Márcio Roberto da Rocha, 33.
Ao perceber que o suspeito estava armado o vigilante, que estava armado apenas com uma foice, rapidamente se pôs na frente do médico e recebeu cinco tiros deflagrados pelo homem: dois atingiram o tórax, um no abdômen, um no braço direito e outro no quadril. O médico foi ferido com um tiro de raspão no braço. O crime aconteceu na última sexta-feira (17) à noite e o suspeito, que chegou numa moto com outro homem também não identificado, fugiu logo após o crime.


As duas vítimas foram socorridas ao Hospital Dom Moura, em Garanhuns, onde o vigilante Márcio Roberto, que passou por uma cirurgia, continua internado em estado estável. O médico Paulino Neto foi transferido para o Hospital Monte Sinai e já recebeu alta.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Polícia Federal aperta o cerco contra as empresas clandestinas




A Polícia Federal intensifica as fiscalizações em empresas que prestam serviços de segurança privada em PG. estimativa é de que mil vigilantes atuam na irregularidade
O delegado da Polícia Federal, Jonathan Trevisan Júnior, afirma que empresas que atuam sem autorização serão fechadas
A Polícia Federal está intensificando as operações de fiscalizações em empresas que prestam serviços de segurança privada em Ponta Grosa. A meta é inibir que a clandestinidade tome conta do setor. A estimativa é de que pelo menos seis firmas que realizam o serviço no município estão na irregularidade. Segundo dados do Sindicato dos Vigilantes, hoje 500 pessoas atuam na profissão e a estimativa é de que exista o dobro trabalhando ilegalmente.
De acordo com o delegado da PF, Jonathan Trevisan Júnior, o órgão está fiscalizando as empresas de segurança privada e irá fechar as que atuam sem estarem devidamente regulamentadas. “A empresa que não tem autorização da Polícia Federal para funcionar no ramo irá receber um auto de encerramento de atividades e deverá fechar as portas. Não pode prestar serviços de segurança”, ressalta Trevisan. Contudo, caso a empresa tenha autorização para atuar no setor, mas os profissionais estejam irregulares será estipulada uma multa que varia entre R$ 2 mil a R$ 5 mil.
Fonte: Jornal da Manhã