quarta-feira, 19 de junho de 2013

Cuidado ao modificar o original

ALTERAÇÕES NO VEÍCULO
Determinadas modificações em características do veículo devem passar por vistoria
Modificar algumas características do carro é uma ideia atraente para alguns, seja para deixá-lo mais bonito ou potente, porém, os condutores devem estar muito atentos às exigências do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) a fim de não acarretarem multas devido à ausência de uma autorização necessária para circular com algumas alterações em elementos originais do veículo.

O envelopamento só é permitido sem a vistoria dos órgãos devidos apenas se for da mesma cor que a original do veículo. O adesivamento fosco é um dos mais comuns nas vias FOTO: ARQUIVO

As exigências de documentações são necessárias, pois podem trazer insegurança aos condutores e aos demais veículos que transitam pela mesma via.

De acordo com José de Ribamar Diniz, coordenador da equipe de blitze do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), qualquer alteração que o proprietário do veículo fizer deve ser comunicada ao órgão, levando as documentações necessárias, passando por uma inspeção em algum órgão recomendado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e retornado ao Detran para ter sua documentação modificada de acordo com a nova característica.

Tipos de modificações
Entre as principais alterações que não são permitidas caso não estejam presentes na documentação do veículo, está a alteração da cor, seja por pintura ou adesivamento (parcial e completo), comum aos que desejam um aspecto mais fosco na lataria do carro.

José de Ribamar afirma que somente se o veículo fizer esse envelopamento com adesivo da mesma cor que a original ou em até 50% do veículo não é necessário comparecer ao Detran. Se a cor for diferente ou o adesivamento superior a 50%, a vistoria deve ser realizada.

Recorrentes também são os rebaixamentos na suspensão do automóvel, aderidos por aqueles que almejam um visual mais esportivo no veículo, entretanto, o nível de rebaixamento também tem seu controle, portanto, o processo de aprovação dos órgãos em questão também é exigido para que o veículo possa transitar sem problemas.

Já as luzes de xenon foram completamente proibidas, exceto em casos em que já são de fábrica ou que foram regularizadas antes da nova norma. A inibição foi determinada porque alguns usuários dessas luzes desrespeitavam os demais condutores, ofuscando a visibilidade deles e podendo ocasionar acidentes.

Mesmo sendo utilizado como medida de segurança, os vidros fumês também têm seus limites, pois só são permitidos apenas se os vidros do para-brisa tiverem 75% de transparência; os vidros laterais dianteiros, 70 % de transparência; e os vidros laterais traseiros e o vidro traseiro até 28 % de transparência.

Em relação ao combustível, algumas pessoas buscam convertê-lo para Gás Natural Veicular (GNV), que traz maior economia ao veículo. Entretanto, é necessário que o proprietário tenha o Certificado de Segurança Veicular (CSV) para que a alteração seja legalizada.

Infração
O artigo 98 da resolução 292 do Código de Trânsito Brasileiro determina que os proprietários de veículos não podem alterar alguma característica do veículo sem a permissão do Detran.

Oferecendo visual mais esportivo, rebaixamento tem limite FOTO: ARQUIVO

Se o veículo não passar pela vistoria do órgão e não tiver em seu documento a nova característica, o proprietário estará cometendo uma infração de categoria grave, podendo acarretar cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação e uma multa no valor de R$ 127,69.

Para solicitar a permissão de alteração da característica do veículo, é necessário que o proprietário compareça à sede do Detran com o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV), a Carteira de Identidade, o Certificado de Pessoa Física (CPF) e o comprovante de residência, todos no nome do proprietário. Posteriormente, o Detran irá fazer o encaminhamento para as outras etapas a fim de que a documentação do veículo fique regularizada.

Valores
Gastos para alterar alguns elementos
Os custos com envelopamento de veículos são variados conforme o tamanho do carro, o tipo de produto utilizado e o grau de adesivamento exigido. Se o envelopamento for parcial, pode custar 60% do valor do envelopamento total, que gira em torno de R$ 1000,00 para carros pequenos.

Os que desejam realizar o rebaixamento na suspensão podem gastar em torno de R$ 400,00, porém, esse é um valor que pode variar bastante, afinal, o veículo precisa ter os seus amortecedores preparados e o tipo de rebaixamento que será realizado também influencia no preço.

Já as películas fumês, a depender da qualidade e tipo que o condutor solicitar, custam a partir de R$ 100,00. Alguns modelos possuem, também, a função anti-impacto.

Ao levar o veículo ao Detran para que a documentação seja regularizada, o proprietário também paga uma taxa no valor de R$ 27,36. Se for necessária alguma inspeção no órgão recomendado pelo Inmetro, outro valor também pode ser cobrado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário