sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Quatro pessoas mortas na ´Babilônia´

CHACINA NO BARROSO
Segundo a Polícia, as mortes teriam sido motivadas por questões ligadas ao tráfico de entorpecentes

Populares ajudaram a equipe do rabecão da Perícia Forense do Ceará (Pefoce), a recolher os quatro corpos. A comoção dos familiares foi grande no local

O adolescente Francisco de Oliveira Soares, o ´Titico´ de 16 anos, tentou escapar, mas acabou sendo alcançado e morto, na escada da casa onde a chacina ocorreu. O irmão dele, Francisco Leandro Soares, foi assassinado dentro da residência/ Todas as vítimas foram executadas com uma quantidade grande de tiros, disparados de pistolas de calibres ponto 40 e 380. Ainda não há informações conclusivas sobre suspeitos, mas um homem conhecido por ´Bidoga´ foi citado fotos: Helosa Araújo
Uma chacina ocorrida, na tarde de ontem, abalou os moradores do Conjunto Habitacional Novo Jardim Castelão, conhecido como ´Babilônia´, no bairro Barroso II, na zona Sul. Quatro jovens foram executados com vários disparos de pistola. Uma pessoa ficou ferida e foi socorrida.

De acordo com a Polícia, cinco homens chegaram à uma casa na Rua E do condomínio e pediram guardanapos. Quando subiram, revelaram o que realmente tinham ido fazer no local. "Eles disseram que estavam procurando pelo Igor, mas acabaram matando todos que estavam lá. Somente as mulheres e as crianças, que estavam na casa se livraram", afirmou o inspetor Lisandro, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Igor Alves Gomes, 18; e Francisco Leandro de Oliveira Soares foram mortos na entrada da casa; Leandro Ribeiro Lima, o ´Vengá´, 23, estava dormindo em um quarto, no primeiro andar, e foi executado lá; e o adolescente Francisco de Oliveira Soares, o ´Titico´, 16, tentou escapar pela escada, mas acabou atingido por 11 tiros de pistola ponto 40.

Francisco Leandro e ´Titico´ eram irmãos e cunhados de Leandro Lima. Um homem identificado como Adeílson de Araújo Rocha, 22, deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Conjunto José Walter com um ferimento à bala. Segundo informações do Ronda do Quarteirão, ele teria dito que quando viu a confusão se aproximou para ver do que se tratava e acabou ferido. A Polícia irá apurar se a versão é verdadeira.

A casa onde o grupo estava seria da sogra de Igor, mas ninguém sabe afirmar ao certo a propriedade do local. O condomínio fazia parte do programa ´Minha Casa, Minha Vida´, do Governo Federal, e acabou sendo invadido antes de ser entregue. A Polícia diz que no lugar existe venda de drogas e até de armas de fogo de grosso calibre.

Igor, apontado como o alvo dos autores dos disparos, já respondia por tráfico de drogas. Familiares do rapaz, que não quiseram revelar suas identidades, afirmaram que, há algum tempo, o aconselhavam para se afastar das drogas e sempre pediam para que ele saísse do conjunto habitacional ´Babilônia´.

Se mudaram
Conforme a Polícia, os jovens seriam do Parque Vera e da Vila Manuel Sátiro, e se mudaram para o ´Babilônia´, em consequência de desavenças geradas nas antigas moradas. Segundo o cabo Alberto PM Viana, todos os mortos já tinham registros de crimes. "Cometeram assaltos, porte ilegal de arma, tráfico. Eram todos envolvidos com crimes", declarou.

Suspeito

Uma equipe da DHPP chefiada pelo próprio diretor, delegado Luiz Carlos Dantas, esteve no local fazendo levantamentos preliminares sobre o caso. Alguns nomes de suspeitos foram ventilados e estão sendo averiguados. Um homem, conhecido como ´Bidoga´, é uma das pessoas apontadas como suspeita. Populares deram conta do envolvimento dele nas mortes. Até agora, a motivação da chacina não está clara, mas provavelmente, teria acontecido por questões ligadas ao tráfico de drogas.

Testemunhas oculares do fato serão intimadas a depor. Elas disseram, no entanto, que não reconheceram nenhum dos homens que invadiram o condomínio e praticaram a chacina.

A mãe de dois dos quatro mortos esteve no local. Ela disse que quatro de seus cinco filhos foram assassinados. Ontem, fazia exatamente quatro meses que um deles foi morto, no bairro Bonsucesso. Muito abalada, ela se disse indignada com a violência.

A comoção no local foi muito grande. Muitos parentes das vítimas foram até o condomínio e lamentaram as perdas. Os moradores, amedrontados, não quiseram falar a respeito, mas dizem viver acuados com medo de ações como a de ontem.

MÁRCIA FEITOSAREPÓRTER

Nenhum comentário:

Postar um comentário