quarta-feira, 12 de março de 2014

PM é capturado após executar inimigo a tiros

AQUIRAZ

Segundo testemunhas, o militar sacou a arma e efetuou os disparos, sem dar à vítima chance de defesa

Image-0-Artigo-1564451-1
De acordo com a Polícia, a vítima levou três tiros e teve morte imediata. Moradores ficaram chocados com o crime. Parentes do acusado disseram que ele estava sofrendo insultos por parte da vítima constantemente
FOTO: KLÉBER A. GONÇALVES
Um crime de morte chocou os moradores da Praia do Iguape, em Aquiraz, na manhã de ontem. Após uma discussão banal, o policial militar, da reserva, Messias Rodrigues de Freitas matou a tiros o pescador Cleilson Barbosa Faustino, 42. O crime foi cometido na Praça Beira-Rio.
De acordo com a Polícia, a vítima levou três tiros e teve morte imediata. O policial militar da reserva acusado do crime foi contido por populares e entregue à Polícia. As informações dão conta que vítima e acusado tinham uma rixa antiga.
Rosileide Mateus, esposa do policial militar, contou que o pescador, há vários dias, proferia insultos ao marido dela. Na manhã de ontem, porém, o clima ficou tenso e o policial militar teria ido tirar satisfação do pescador. A discussão ficou bastante acirrada. Messias de Freitas sacou a arma e efetuou os disparos, sem dar à vítima a mínima chance de defesa.
Messias Rodrigues de Freitas foi levado à Delegacia Metropolitana de Aquiraz (DMA) e autuado em flagrante por homicídio. A origem da rixa entre o militar da reserva e o pescador não foi revelada, entretanto os últimos insultos por parte da vítima teriam deixado Messias de Freitas bastante irritado.
Após a prisão, o militar foi levado para a Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) para ser submetido a exame de corpo de delito. Depois foi levado para a Delegacia, mas deve ser transferido para o Presídio Militar, por questões de segurança.
Somente em 2013, 56 policiais militares foram expulsos da Corporação pela Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD), nove deles, acusados de praticar homicídios. Outros nove foram demitidos acusados de lesão corporal e outras transgressões disciplinares. Os dados foram divulgados em janeiro deste ano pela CGD.
Espancamento
No Diário Oficial do Estado (DOE) do último dia 7, a CGD publicou portaria determinando a instauração do Conselho de Disciplina contra três policiais militares (identidades preservadas) acusados de espancar até a morte o pedreiro Francisco Ricardo Costa de Souza. O crime teria ocorrido no último dia 13 de fevereiro último, no bairro Maraponga.
Conforme o documento da CGD, na ocasião, a vítima trafegava de bicicleta pela rua Francisco Glicério, bairro Maraponga, em Fortaleza, quando foi abordado pela patrulha do Ronda do Quarteirão e conduzido até as proximidades da Associação de Moradores do Ouro Verde, no mesmo bairro. Ali, conforme as denúncias, os soldados teriam praticado agredido o pedreiro, levando-o a morte.
Os militares acusados teriam voltado algum tempo depois de "supostamente abandonarem a vítima", ao local, recolhido o pedreiro ao xadrez da viatura e o levado ao hospital Frotinha de Parangaba, "onde este, possivelmente, já chegou sem vida", diz um trecho do documento.
O pedreiro era pai de cinco filhos. Os moradores do bairro Maraponga, revoltados com o caso, atearam fogo contra um ônibus um dia depois em protesto.
Os três policiais militares estão recolhidos preventivamente no Presídio Militar. Amigos e parentes dos três PMs detidos, sob suspeita de envolvimento no homicídio do pedreiro, criaram uma página na rede social Facebook para pedir apoio financeiro e moral aos policiais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário