sábado, 10 de maio de 2014

Acusados da morte de estudante são julgados

LATROCÍNIO

Os dois jovens de 17 anos foram sentenciados a cumprir medida socioeducativa de internação

mardonio
O estudante universitário de Direito Mardônio Rodrigues Freire Júnior, 19, foi morto durante um assalto, no dia 19 de março deste ano
FOTO: DIVULGAÇÃO
Os dois adolescentes acusados de participar da morte do estudante universitário de Direito Mardônio Rodrigues Freire Júnior, 19, no dia 19 de março deste ano, durante um latrocínio (roubo seguido de morte), foram sentenciados a cumprir medida socioeducativa de internação. A decisão é da 1ª Vara da Infância e Juventude da Comarca de Fortaleza. Segundo o Ministério Público Estadual (MPE), os dois teriam agido junto com Carlos Natiel Paula Firmino, 19, que foi denunciado pelo MP e aguarda julgamento.
Conforme a Polícia, os menores e Carlos Natiel teriam esperado o momento certo para abordar uma vítima no sinal da Avenida Professor Heribaldo Costa, no bairro Henrique Jorge. Eles verificaram quando Mardônio estava parado no sinal com o vidro aberto e que só havia uma pessoa dentro do carro. Segundo as investigações, um dos adolescentes ficou ao lado da janela do motorista, colocou a arma na cabeça da vítima e anunciou o assalto. Mardônio acelerou o veículo, o que fez um dos adolescentes atirar.
Arrastado
Ainda de acordo com a Polícia, o estudante de Direito conduziu o carro por alguns metros e bateu no meio fio. Nesse instante, Natiel pegou o volante e retirou Mardônio do automóvel, mas ele ficou preso pelos pés no cinto de segurança e chegou a ser arrastado pelos acusados. Quando tentava desvencilhar Mardônio do cinto, Natiel bateu em uma árvore. Ele fugiu a pé com um dos comparsas. O outro adolescente desmaiou dentro do veículo e acabou apreendido.
O outro menor e Carlos Natiel foram detidos na mesma semana do fato. Segundo a Polícia, quando cometeu o crime, Natiel estava em liberdade há dois dias, depois de passar oito meses e 20 dias preso em uma Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL), em Caucaia, acusado de outro assalto.
O MP pediu a medida de internação dos dois pelo ato infracional análogo a crime de latrocínio. A defesa de um dos adolescentes solicitou ao juiz a desclassificação da infração para furto e a do outro alegou insuficiência de provas, defendendo a absolvição ou aplicação de medida em meio aberto.
Ao analisar o caso, o juiz Fernando Antônio Pacheco Carvalho Filho, da 1ª Vara da Infância e Juventude, afirmou que a desculpa de um dos acusados de que só se lembra dos fatos até a batida que resultou no desmaio, não é favorável na sua defesa pois testemunhas o identificaram como um dos autores da infração com o outro adolescente. Sobre a desclassificação para furto, o juiz ressaltou que "não pairou dúvida de que a intenção de ambos adolescentes era subtrair o veículo da vítima, sendo que para tanto, valeram-se de violência que resultou no perecimento (morte) de que nos dá conta o laudo cadavérico".
Com esse entendimento, o magistrado determinou a internação dos adolescentes. "Assim sendo, tratando-se de infração cometida mediante violência à pessoa, resultado na morte da vítima, a mim parece mais adequada a medida socioeducativa sugerida pelo MP, ou seja a internação", finalizou.
Natiel
O terceiro acusado de participação no crime foi denunciado pela promotora de Justiça Ana Cláudia de Morais, da 14ª Vara Criminal do Fórum Clóvis Beviláqua, pelo crime de latrocínio. Os advogados da família do estudante, Leandro Vasques e Holanda Segundo, destacaram a agilidade no andamento do processo e explicaram que a denúncia foi recebida pela magistrada da Vara no último dia 24 de abril. A juíza determinou a citação do acusado para apresentar a defesa, e após haverá a audiência de instrução e julgamento.
Leandro Vasques e Holanda Segundo disseram estar "confiantes em um julgamento rápido e na aplicação de uma punição que possa amenizar a irreparável perda da família".

Nenhum comentário:

Postar um comentário