sábado, 29 de novembro de 2014

Pefoce utiliza sistema do FBI para codificar DNA de suspeitos de crimes

CODIS

Um banco de dados, com material genético de criminosos, está sendo montado para ajudar na elucidação de crimes

Image-0-Artigo-1749897-1
A perita Ana Cláudia Sobreira, do Núcleo de DNA, fazendo análises de amostras colhidas na CPPL III para que sejam inseridas no Codis
FOTO: KLÉBER GONÇALVES
Image-0-Artigo-1749896-1
Maximiano Chaves destacou avanços da Pefoce e disse que o órgão precisa de servidores
FOTO: KLÉBER A. GONÇALVES
Um banco de dados com o perfil genético de criminosos montado com o mesmo software utilizado pelo FBI está sendo usado pelo Núcleo de Perícia em DNA Forense da Perícia Forense do Ceará (Pefoce). O projeto já funcionava no sentido de identificar cadáveres que dão entrada na Coordenadoria de Medicina Legal (Comel) e de ajudar na elucidação de crimes como estupros, latrocínios, homicídios, furtos e arrombamentos.
De acordo com a responsável pelo Núcleo, a perita criminal e química Tereza Cristina Lima Rocha, na cena de um crime qualquer objeto tocado pelo suspeito pode conter material genético e isto pode bastar para identificá-lo com mais de 99% de certeza. A maioria das comparações genéticas feitas na Pefoce são para descobrir suspeitos de violência sexual; o número de exames para identificação de cadáveres também é alto, porém a vertente que tem crescido mais é a criminalística biológica, segundo Tereza Lima.
Somente neste ano, 537 laudos de naturezas diversas foram expedidos. Os documentos expedidos são para os casos em que cadáveres não puderam ser identificados por outro método mais rápido e mais baratos. Já nos casos de criminalística biológica, os exames são baseados em amostras colhidas em locais de crimes, ou, no corpo da vítima e do suspeito.
"Em tese, qualquer material pode ser analisado. Já chegou aqui facão, foice, mão de pilão, bicicleta, relógios, hastes de óculos, roupas, bonés. Vale lembrar que nem sempre dá para se chegar ao resultado, porque o DNA pode ser degradado pelo sol, calor, vento, chuva e pela movimentação de pessoas no local do crime, mas nada pode ser descartado, porque qualquer parte do corpo tem o mesmo perfil genético. Nesta caso, o sangue pode ser comparado, por exemplo, com a pele da testa que descamou em um boné usado por um suspeito de um crime. Até o suor tem material genético", disse Teresa Cristina Lima.
A perita lembra que os exames requeridos pelas autoridades policiais não tem efeito de incriminar, mas de esclarecer fatos delituosos. "Os nosso laudos já serviram também para livrar pessoas inocentes. Já fornecemos um laudo de um caso de assalto seguido de estupro, em que conseguimos detectar que três dos quatro agressores participaram dos dois crimes", afirmou Tereza Lima.
Procedimento
O sistema Combined DNA Index System (Codis), ou em português Sistema de Indexação Combinada de DNA é o software disponibilizado para 40 Países pelo FBI, que permite o armazenamento de informações genéticas de criminosos para que eles sejam cruzados, durante investigações policiais. No Brasil, somente presos condenados podem ser inseridos no Codis, portanto as análises feitas em casos de criminalística biológica não podem ser disponibilizados para o banco de dados unificado, que tem base na sede da Polícia Federal, em Brasília. Ao todo, 17 Estados brasileiros utilizam o Codis.
"Se existe uma suspeita informamos um código que representa um DNA já mapeado e, em Brasília, eles cruzam a informação com os dados de outro Estado e mandam a resposta. No caso do fato acontecer no próprio Estado, nós fazemos isto em total sigilo", disse Lima.
Para que o DNA seja inserido no Codis ele é extraído das proteínas que o acompanham, a amostra é multiplicada milhares de vezes, o perfil genético é estabelecido e digitalizado.
Presos são mapeados geneticamente
A Lei Federal Nº 7.210/1984, conhecida como Lei de Execuções Penais, sofreu uma modificação em 2012, que institui a coleta de dados genéticos dos presos condenados por crimes hediondos, ou que foram cometidos com grave violência contra à pessoa. Esta coleta deve ser feita de forma não invasiva e indolor. Para tanto, a Pefoce tem deslocado profissionais até as penitenciárias para colher 'suabe bucal' (material colhido com um cotonete na parte interna das bochechas), para que seja feito o mapeamento do código genético de cada sentenciado.
A Lei prevê ainda, que o DNA seja mantido em sigilo pelo Estado e que este só deve ser fornecido para confrontos genéticos, com autorização judicial. Segundo a promotora de Justiça Flávia Unnenberg, que atua na Vara de Execuções Penais e na Corregedoria de Presídios, a medida era necessária como mais um instrumento de identificação de detentos já condenados.
"O legislador, quando criou a obrigação da coleta, foi como uma forma de identificar o preso. Quando ele entra no Sistema Prisional é fotografado, tem as digitais cadastradas, a grafia registrada e a voz é gravada. A coleta do DNA funciona como mais um instrumento que pode levar a uma determinada pessoa. Só que estes artifícios ficam sob sigilo do Estado e só podem ser usados num eventual processo, tanto como prova a favor ou contra, se um juiz autorizar".
A coleta
A coleta do material genético está sendo feita. A primeira instituição atendida foi a Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) III, em Itaitinga, onde 250 reclusos condenados forneceram material genético. A expectativa do Ministério Público do Estado (MPE), que tem articulado as coletas junto ao Poder Judiciário, à Pefoce e à Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus)é que estas sejam finalizadas no primeiro semestre de 2015, nas unidades prisionais da Capital e Região Metropolitana.
"A Lei é enfática em dizer que somente DNA de presos condenados podem ser coletado, para que se afaste qualquer ideia de que a pessoa está produzindo provas para si mesma. No Cariri, por exemplo, os juízes estão determinando já na sentença, que seja feita a coleta. Vale lembrar que é importante que exista a manutenção do serviço. Quando a Pefoce terminar este trabalho nas penitenciárias, a ideia é que mensalmente mapeie quem ingressa nas prisões. É um trabalho contínuo e paulatino", disse Flávia Unnemberg.
Ceará é o primeiro a utilizar Codis
Os elementos de identificação, que funcionam como suporte às investigações policiais, tem evoluído muito, de acordo com o perito geral da Perícia Forense do Ceará, Maximiano Chaves. Para ele, o Núcleo de DNA Forense é um desses avanços. Conforme Chaves, o Ceará foi o primeiro Estado a atender ao projeto de adoção do Codis, no Brasil.
O perito geral lembrou que além dos serviços voltados para a alimentação do Codis, que é feito apenas com presos condenados, a Pefoce tem crescido na criminalística biológica. No Nordeste somente o Ceará, a Bahia e o Pernambuco realizam análises forenses de DNA.
"O núcleo é instalado na Capital, mas recebemos demandas de todos os outros núcleos espalhados pelo Interior. Isto é muito bom, porque o DNA é um prova científica e é nosso dever dar este suporte para todo o Ceará".
Maximiano Chaves diz que o quadro de profissionais está defasado e que é preciso que novos servidores sejam contratados para otimização dos trabalhos. "Temos 316 servidores, sete a mais do que tínhamos em 2006, enquanto a demanda triplicou".
Márcia Feitosa
Repórter
f

Grupo realiza tentativa de assalto a banco em Independência

TENTATIVA FRUSTRADA

Polícia acabou abortando a missão dos bandidos, que saíram do local sem levar nenhum dinheiro do banco

Um grupo  de cerca de 14 homens em dois carros realizou uma tentativa de assalto ao banco Bradesco do município de Independência, localizado a 309 km de Fortaleza.  
 
A ação ocorreu por volta das 19h45 deste sábado e foi abortada pelo Comando Tático Rural (Cotar), que não conseguiu realizar nenhuma prisão. 
 
Viaturas seguem à procura dos fugitivos. O grupo não levou nenhum dinheiro do banco. 
 
Com informações do correspondente Antônio Carlos 

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Agente condenada a indenizar juiz diz que polêmica ajudou categoria

Tamborini veio a Fortaleza para participar do 3º Encontro Nacional dos Agentes de Trânsito
Para Luciana Tamborini, a agente de trânsito do Rio de Janeiro condenada a pagar indenização a um juiz depois de multá-lo em uma fiscalização, a polêmica deu visibilidade a questões levantadas por sua categoria. "Deu-nos força para aprovarmos as leis que vão regulamentar nossas atividades; é importante o agente trabalhar sabendo que está resguardado pela lei", argumenta.
 Tamborini veio a Fortaleza para participar do 3º Encontro Nacional dos Agentes de Trânsito (Enatrânsito 2014), realizado no Condomínio Espiritual Uirapuru de quinta, 27, a sábado, 29, deste mês. Participam do evento 380 agentes de trânsito que atuam em 24 estados brasileiros e no Distrito Federal.

Uso de arma de fogo
O encontro também debate temas polêmicos, como o uso de armas de fogo por agentes de trânsito. O tema gera controvérsias entre a categoria. Como não podem portar armas, os servidores ficam sujeitos a reações violentas de condutores de veículos que recebem penalidades.
 Em julho deste ano, de acordo com o sindicato da categoria, uma agente da Autarquia Municipal de Trânsito (AMC) foi cercada e agredida por um grupo de torcedores depois de ter aplicado multa no veículo de um deles, nas proximidades do estádio Presidente Vargas, no bairro da Gentilândia.
 De acordo com Ériston Ferreira,membro da comissão organizadora do Enatrânsito, a classe ainda não fechou questão sobre o tema do armamento. “Estamos escutando a sociedade, representantes das polícias, da OAB e vamos elaborar uma proposta ao fim do encontro para apresentar à sociedade”, diz. Ferreira, entretanto, declara ser a favor do uso de armas não leitais pelos agentes. “Seria um artifício para garantir nossa segurança”, defende

.

Sine seleciona mil trabalhadores para atendimento ao cliente em Fortaleza

Candidatos devem ter idade mínima de 18 anos. 

Inscrição deve ser feita na sede da Setra. 


Do G1 CE


A Secretaria Municipal de Trabalho, Desenvolvimento Social e Combate à Fome de Fortaleza (Setra), por meio do Sistema Nacional de Emprego (Sine), selecionam a partir desta segunda-feira (24), mil profissionais para trabalhar com  atendimento ao cliente.

Os candidatos devem ter idade mínima de 18 anos, Ensino Médio completo e conhecimento básico em informática. Não é exigido experiência dos candidatos. Para participar do recrutamento, os interessados devem comparecer no auditório da Secretaria Regional III, localizado na Avenida Jovita Feitosa, 1.264, no Bairro Parquelândia, a partir das 8 horas.
Os documentos necessários para a inscrição são: RG, CPF, currículo, carteira de trabalho, comprovante de endereço, de escolaridade e de cursos de qualificações.
O cargo oferece salário fixo, remuneração variável, oportunidade de crescimento, desconto em faculdades, plano de saúde e odontológico, vale transporte e alimentação, auxílio-creche, seguro de vida, entre outros benefícios.

Quadrilha explode banco em Barreira

49º ATAQUE
Um bando formado por seis homens armados com pistolas atacou a agência do Bradesco da cidade de Barreira (a 72Km de Fortaleza), na madrugada de ontem. De acordo com testemunhas, os criminosos chegaram em três motocicletas e instalaram as emulsões que explodiram o banco.
Uma mulher que mora nas proximidades do prédio informou que desconfiou da movimentação intensa na rua, em um horário em que a cidade costuma estar calma. "Por volta de 1 hora escutei o barulho das motos chegando e algumas pessoas conversando. Depois houve uma explosão", disse a mulher, que não quis se identificar.
A estrutura do prédio foi bastante danificada. O único caixa eletrônico instalado no local foi destruído. Informações da PM dão conta que o dinheiro que estava no equipamento foi levado. A quantia exata que foi subtraída não foi divulgada pelo banco, nem pela Polícia.
Segundo informações que a população deu à Polícia, o bando foi até a CE-347 onde dois automóveis aguardavam e fugiram pela rodovia. Conforme levantamentos da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), este foi o 49º ataque a banco no Estado.
Suspeitos
Em igual período do ano passado, ocorreram 82 ataques. A redução foi de 41%. O delegado titular da Especializada, Raphael Vilarinho, disse que já tem seis nomes de suspeitos conseguidos com base em levantamentos preliminares feitos no local do crime.
"As informações que recebemos levam a pessoas de outros Estados, que estavam aqui unicamente para praticar crimes. Eles fugiram em direção ao município de Horizonte e nossas buscas começaram por lá. Temos pistas do paradeiro deles e é muito provável que consigamos prendê-los nos próximos dias", afirmou o delegado.
Equipes da DRF foram deslocadas e estão participando das diligências, na tentativa de capturar os acusados.

Mulher de militar passa a ser suspeita

DIZ DELEGADO

Subtenente prestou depoimento e forneceu informações que mudam o olhar dos investigadores do caso

Image-0-Artigo-1751472-1
Presidente do inquérito e titular do 16º DP (Dias Macêdo), Wilder Brito Sobreira deixou o hospital depois de mais de três horas de depoimento
FOTO: KIKO SILVA
Image-1-Artigo-1751472-1
Subtenente do Exército Brasileiro, Francilewdo Bezerra Severino, permanece internado e em condição de preso à espera de decisão da Justiça
De acusado de agredir a mulher e matar o filho a supostamente vítima de tentativa de homicídio. O depoimento prestado ontem pelo subtenente do Exército Brasileiro (EB), Francilewdo Bezerra Severino, mudou o ângulo de visão dos investigadores sobre o caso da morte do menino Lewdo Ricardo Coelho Severino, de nove anos.
De acordo com o delegado titular do 16º DP (Dias Macêdo), Wilder Brito Sobreira, as informações do subtenente divergem das que foram prestadas em depoimento pela esposa, Cristiane Renata Coelho Severino. Desta forma, o caso ganha uma reviravolta e a mulher, até então tratada como vítima, passa a suspeita de envenenar filho e marido.
"Para a Polícia, hoje, Cristiane inverte a condição que ela tinha de vítima e passa a ser uma suspeita em potencial. Ela passa a ter as características de que pode vir a ter cometido esse crime. Não estamos afirmando, estamos dizendo que a partir de agora temos outras hipóteses a trabalhar. E nós não vamos deixar de trabalhar qualquer que seja a hipótese" afirmou Sobreira, na saída do Hospital Geral do Exército, na noite de ontem.
O delegado justificou que o depoimento prestado por Francilewdo, ainda na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do hospital, mudou a ótica do caso. O procedimento teve início às 15h e só se encerrou às 18h30.
"Ouvimos a versão dele e, para mim, teve aproveitamento fabuloso. Ele nega veementemente toda a versão da esposa, diz que nunca a espancou, não matou o filho e nem tentou contra a própria vida. Ele traçou toda a rotina dele durante o dia", contou o presidente do inquérito.
Divergências
Para Sobreira, há pontos que não se encaixam nos dois depoimentos tomados. Isto gerou dúvidas no investigador.
"O subtenente conta que teria feito compras no supermercado, não às 17h como a esposa havia dito, mas em torno de 20h ou 21h. Depois, chegou em casa, deitou na rede e foi assistir a um jogo de futebol americano. Aí, ficou 'fora do ar'. Não sabe se comeu alguma coisa, se bebeu alguma coisa", disse.
Apesar de ter ficado inconsciente e não lembrar do que aconteceu exatamente quando ingeriu o veneno, Francilewdo forneceu detalhes que intrigaram a Polícia. Estas informações citam, por exemplo, a polêmica em torno da alteração da postagem feita no perfil do militar na rede social Facebook, supostamente justificando o crime.
"Ele foi envenenado, não pode falar do que não viu. Posso dizer que ele tocou em pontos de relevância. Disse que ela (Cristiane) tinha a senha do Facebook dele, e que ela postava (no perfil). Deu uma série de dados que derrubam algumas informações que ela me deu por ocasião do depoimento. Agora vamos analisar e ver as próximas medidas que vamos adotar", pontuou.
Preso
Apesar da reviravolta, o subtenente permanece na condição de preso em flagrante pelos crimes de homicídio e lesão corporal (violência doméstica).
"Tecnicamente, Francilewdo permanece preso, mas se me indagar por elementos para dizer que ele assassinou o filho, dopou e espancou a mulher e atentou contra a própria vida, eu diria que os argumentos são falhos, não contundentes. Há coisas a se questionar", ponderou.
Sobre o fato de o militar permanecer na condição de preso, o delegado afirmou que "é função da defesa, Ministério Público, observar este fato, e a juíza dizer que não tem elementos e fazer o relaxamento da prisão. O delegado não tem a função de pedir relaxamento de prisão", exclamou Sobreira.
O advogado que representa o subtenente, Walmir Medeiros, garantiu que pedirá o relaxamento da prisão do militar.
"Vamos pedir a soltura dele já que agora não restam mais dúvidas, há certeza absoluta de que não foi ele (quem cometeu os crimes). O delegado viu todos os pontos e, as dúvidas que tinha, se desfizeram", frisou.
Medeiros sugere que a esposa do subtenente do Exército seja apontada pela Justiça como responsável pelos crimes e que, com isso, seja presa. O advogado de Francilewdo diz, ainda, que a guarda do outro filho do casal, de cinco anos, que foi levado por Cristiane para Recife, seja tomada pela Justiça. Para o advogado, a mulher representa risco para a segurança da criança.
"A partir de segunda-feira a defesa vai provocar que ela seja presa pois, para a defesa, não há mais dúvidas. A opinião pública se convenceu que foi ela. O delegado não disse com todas as letras mas indicou que é ela a culpada. Ela está cuidando de uma criança que, para a defesa, está em risco", afirmou o advogado.
Medeiros ressaltou que o militar, que apresentou piora no quadro clínico quando foi informado do que aconteceu na fatídica madrugada do dia 12, não teve registrada alteração em sua saúde com a tomada de depoimento na tarde de ontem.
"Francilewdo esteve bem, foi firme, não teve piora, estava bem tranquilo durante o depoimento. Esclareceu todos os pontos sobre os quais ainda havia alguma dúvida. Esteve emocionado, mas tranquilo", definiu
Defesa
Quando procurada pela reportagem, na data em que o subtenente foi informado da morte do filho, no último dia 24, a defesa de Cristiane Renata Coelho Severino afirmou que não se pronunciaria pois o caso corre em segredo de Justiça.
Levi de Freitas
Repórter

Iphan realiza estudos para reconhecer Romaria de São Francisco das Chagas

CANINDÉ
Image-0-Artigo-1750683-1
Em 2015, a cidade de Canindé irá comemorar os cem anos do Santuário de São Francisco das Chagas e os 15 anos da estátua do santo
FOTO: ANTONIO CARLOS ALVES
Canindé. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) está realizando estudos para reconhecimento das romarias em louvor a São Francisco das Chagas de Canindé. A iniciativa partiu da Secretaria de Cultura do Município, que enviou, no início de 2013, ao Instituto, uma solicitação de registro das Romarias de São Francisco como Patrimônio Cultural Brasileiro.
Considerando as apreensões de veículos conduzindo romeiros, em operação deflagrada pela Polícia Rodoviária Federal, em atenção ao Ministério Público Estadual e Federal, em outubro deste ano, o Iphan enviou à Prefeitura um ofício, onde se coloca à disposição do Município para ajudar as autoridades interessadas em regularizar as romarias, e seguir com o processo de registro do evento como Patrimônio Nacional.
O ofício, assinado por Itala Byanca Morais da Silva, técnica em História do Iphan-CE, diz ainda que "está disponível para colaborar, por meio de parceria, em ações educativas junto aos romeiros e frentistas e, caso os órgãos considerem pertinente, estabelecer diálogo sobre a dimensão cultural que está presente no deslocamento penitencial dos peregrinos à cidade de Canindé, por eles considerada espaço sagrado, o que, segundo nossa opinião, suscitaria uma abordagem diferenciada".
O Prefeito de Canindé, Celso Crisóstomo, esteve no início do mês de novembro em Brasília, onde conseguiu uma audiência que será realizada com vários ministros para discutir os destinos das romarias de Canindé e Juazeiro do Norte. Deverão participar os frades do Santuário de Canindé, o bispo do Crato e os prefeitos de Canindé e Juazeiro. Para Celso Crisóstomo, a fé e a religiosidade do povo nordestino são características marcantes na cultura brasileira. "As romarias e peregrinações são jornadas empreendidas por motivos religiosos a um santuário, a um lugar sagrado e milagroso, onde as pessoas vão pedir graças especiais, cumprir promessas e agradecer favores recebidos".
Um fato que deixa o prefeito animado é que Canindé faz parte do roteiro turístico nacional, destacando-se nas peregrinações nacionais. "Em toda a história da Igreja Católica, as peregrinações constituíram sempre expressões de grande fervor religioso". Segundo ele, uma promessa é feita quando normalmente já se esgotaram os recursos humanos para resolver uma situação difícil, representando um ato de fé e confiança.
Peregrinação
"O cumprimento de uma promessa é um agradecimento, uma ação de graças de forte conteúdo simbólico, como extenso caminho percorrido", destaca Crisóstomo. O franciscano e historiador de Canindé frei Joãozinho Sanning é enfático ao dizer que os cristãos realizam suas peregrinações a Roma para visitar os túmulos dos apóstolos Pedro e Paulo o que originou a palavra romaria.
"As romarias para Canindé são fortes, porque o romeiro dedica a sua vida a São Francisco, o santo de Canindé, homem respeitado e reverenciado por todas as pessoas de boa vontade, pelos amantes da natureza, pelos pacificadores de todas as religiões", ressalta frei Joãozinho.
O frade lembra ainda que, em 2015, a cidade irá comemorar os 100 anos do Santuário de São Francisco das Chagas e os 15 anos da estátua do santo, os dois maiores ícones religiosos do povo nordestino.
Antonio Carlos Alves
Colaborador

Morre Roberto Gómez Bolaños, criador de Chaves e Chapolin


Comediante morreu aos 85 anos em casa no México.

Ele tinha saúde 'frágil' e vivia com a esposa Florinda Meza em Cancún.

Do G1, em São Paulo
Dono de frases antológicas como "ninguém tem paciência comigo" e "não contavam com a minha astúcia", que marcaram gerações de fãs em toda a América Latina, Roberto Gómez Bolaños, criador dos seriados "Chaves" e "Chapolin", morreu nesta sexta-feira (28) aos 85 anos. Bolanõs foi humorista, escritor, ator, produtor de cinema, televisão e teatro.
A causa da morte, ocorrida às 14h30 (horário do México) em casa em Cancún, não foi confirmada. Em fevereiro deste ano, quandoRoberto Bolaños completou 85 anos, um parente confirmou à agência de notícias Efe que a saúde dele era “frágil” e que ele permanecia quase o tempo todo na cama, com acompanhamento 24 horas por dia.
Segundo a CNN mexicana, o ator Edgar Vivar, que interpretou o Senhor Barriga, disse que o corpo do comediante será levado à Cidade do México, onde será velado.
Edgar Vivar, que interpretou o senhor Barriga em "Chaves", informou à CNN do México que o corpo do comediante será levado à Cidade do México, onde será velado.
linha bolanos (Foto: linha bolanos)
Vivar deu seu depoimento à rede de TV mexicana Televisa (que produziu a maior parte dos programas de Bolaños): "Estou em estado de choque. Não pensei que me fosse afetar tanto. Meu telefone não para de tocar. Um abraço compartilhado com milhões de pessoas do mundo. Vou lembrar dele sempre com sorriso e com ânimo. Temos que agradecer a Deus. Seu bom humor é a maior lembrança."
"Roberto, você não vai, permanece em meu coração e em todos os corações de tantos a quem fez feliz. Adeus Chaves para sempre", disse no Twitter Edgard Vivar.
"Obrigado por fazer tanta gente feliz e por todos os momentos maravilhosos que compartilhamos no grupo. Descanse em paz, Roberto", disse Maria Antonieta de Las Nieves, que interpretou a Chiquinha.
"O México perdeu um ícone, cujo trabalho transcendeu gerações e fronteiras", disse o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto.
"Foi um bom companheiro, amigo, irmão e um dos melhores escritores dos últimos tempos no México", disse Ruben Aguirre, que interpretou o professor Girafales.
Trabalho reconhecido no mundo
"Chaves" foi o programa mais visto da televisão mexicana e foi dublado em 50 idiomas, segundo a Televisa.
"Talvez o meu mérito foi conseguir, sem tentar, abordar um ambiente que existe no mundo inteiro", refletiu Bolaños sobre o sucesso de Chaves em uma entrevista à agência de notícias Reuters.
"Trabalhei muito neste personagem, que tem qualidade", explicou ele, "mas a resposta exata eu não sei".
Além disso, Bolaños escreveu roteiros de 50 filmes no México e atuou em 11. No Twitter, ele tinha mais 6 milhões de seguidores.
Trajetória
Roberto Bolaños tirou seu apelido do dramaturgo William Shakespeare, cujo diminutivo em espanhol era "Chespirito". Há alguns anos, ele se mudou para Cancún, no México, junto com a mulher Florinda Meza, a Dona Florinda da série.
Bolaños nasceu na Cidade do México em 21 de fevereiro de 1929. Estudou engenharia, mas nunca exerceu a profissão. Praticou boxe e era um fanático torcedor do clube de futebol América. Começou sua carreira profissional na publicidade, onde começou a trabalhar em roteiros.
Casou-se pela primeira vez com a escritora Graciela Fernández, com quem teve seis filhos. Só em 2004 oficializaria seu casamento com a atriz Florinda Meza, a Dona Florinda.
Aos 80 anos, perguntaram a ele sobre a sua relação de décadas com a atriz Florinda Meza. "Já estamos há 30 anos casados", respondeu. "Temos um casamento sólido que só a morte acabará com ele... ou a Shakira!".
Ganhou o apelido de Chesperito do diretor de cinema Agustín P. Delgado por causa do 1,60 de altura.

Foi só em 1968 que começou sua carreira de ator, na emissora TIM, em séries como “Los Supergenios de la Mesa Cuadrada” e “El Ciudadano Gómez”, em espaços de 30 minutos de duração aos sábados.
Foi só na década de 1970 que começaram a ser exibidos as séries que fizeram de Bolaños um gigante do humor: "Chespirito", "Chapolin" e "Chaves". A partir de 1973, quase todos os países da América Latina tinha na programação de TV episídios dos programas.
O jornal mexicano "Excelsior" cita a seguinte declaração de Bolaños a um TV espanhola sobre seu personagem mais famoso no Brasil: "Chaves, ainda que carecendo de quase tudo, é otimista, aproveita a vida, brinca, se emociona e tem o maravilhoso dom que é a vida"
No começo da década de 1990, Bolaños decidiu aposentar "Chaves" e "Chapolin" e resolveu apostar em "Los Caquitos", em que interpretava o ladrão Chómpiras (que ganhou no Brasil o nome de Chaveco).
Chaves era um dos personagens e segmentos do programa "Chespirito" que começou a ser exibido no México em 1971. O primeiro capítulo de "El Chavo del Ocho" (como era conhecido o personagem nos outros países de língua espanhola) foi transmitido em 20 de junho de 1971.
Rubén Aguirre contrancena com Roberto Bolaños em episódio de 'Chapolin' (Foto: Divulgação/SBT)Rubén Aguirre contrancena com Roberto Bolaños em episódio de 'Chapolin' (Foto: Divulgação/SBT)
O sucesso das histórias do menino sardento de 8 anos que vive dentro de um barril foi tanto que seu programa era transmitido para quase todos os países da América Latina já em 1973. Chaves foi dublado para mais de 50 idiomas e transmitido em países distantes do Tailândia, China, Japão e Grécia.
A série foi produzida originalmente entre 1971 e 1980, como programa independente, e entre 1980 e 1992 como esquete do programa de variedades "Chespirito", que Bolaños estrelou na rede de TV Televisa. Foram mais de 300 episódios, segundo a rede Televisa.
A série "Os Simpsons" homenageou Bolaños com o personagem Pedro Chespirito, que aparece sempre vestido de abelha e fala frases em espanhol.
Roberto Gomes Bolaños durante apresentação da fundação Chespirito na Cidade do México em 2008 (Foto: Francisco Vega/AFP)Roberto Gomes Bolaños durante apresentação da fundação Chespirito na Cidade do México em 2008 (Foto: Francisco Vega/AFP)
Roberto ficou conhecido no México pelo nome de Chespirito. Mas foram os programas "Chaves" e "Chapolin", ainda exibidos pelo SBT, que ficaram mais famosos no Brasil.
Distante da televisão, Bolaños explorou a sua veia literária com um livro de poemas e uma autobiografia, "Sem Querer Querendo".
Em um dos seus livros, "O Diário de Chaves", revela alguns dos mistérios da série. Ele conta, por exemplo, que Chaves não morava dentro de um barril, mas no apartamento número oito, e que o recipiente era apenas para se esconder quando estava triste ou era perseguido.
Casados na vida real, Florinda Meza e Roberto Bolaños interpretavam Dona Florinda e Chaves (Foto: Divulgação)Casados na vida real, Florinda Meza e Roberto Bolaños interpretavam Dona Florinda e Chaves (Foto: Divulgação)
Apesar de ter vivido em concubinato com Florinda por 27 anos, os valores de Bolaños eram conservadores. Inclusive, chegou a participar de uma campanha contra a legalização do aborto na Cidade do México.
Nunca escondeu suas convicções políticas e apoiou a campanha do conservador Vicente Fox, cuja eleição em 2000 rompeu com mais de 70 anos de governo do Partido da Revolução Institucional.
Apaixonado por futebol, Bolaños chegou a se encontrar com o astro argentino Diego Maradona, que o agradeceu por tê-lo divertido com os seus personagens e ele aproveitou para retribuir por tê-lo deleitado com suas proezas dentro do campo.
(Com agência Reuters)

Mulher tenta subornar CNH no Ceará por R$ 40 e é condenada


Mulher ofereceu R$ 40 para ser aprovada em exame para tirar a CNH.

Ela foi condenada a pagar a pena pecuniária e a trabalho comunitário.

Do G1 CE

Uma mulher foi condenada nesta quarta-feira (26), no Ceará, por tentar subornar um funcionário do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE). A decisão foi da juíza Marlúcia de Araújo Bezerra, titular da 17ª Vara Criminal de Fortaleza, que  determinou que a ré cumpra pena e serviços comunitários. O local onde será prestado o serviço e o valor a ser pago serão estabelecidos pela Vara de Penas Alternativas de Fortaleza.
De acordo com o processo, em 5 de agosto de 2009, a mulher foi submetida a exame de baliza para tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), mas não obteve sucesso. Na ocasião, ela foi orientada a estacionar e a descer do veículo,  mas não cumpriu a solicitação e continuou dentro do carro. A examinadora se dirigiu ao local para entregar o documento de identidade, quando ela ofereceu a quantia de R$ 40 para que fosse aprovada na prova.
O fato foi levado ao conhecimento do presidente do Detran, que encaminhou a mulher para o 19º Distrito Policial, onde foi presa em flagrante. Na defesa, ela alegou que a corrupção partiu da servidora pública e requereu a absolvição.
Ao analisar o caso, a juíza destacou que “convergem as provas produzidas para a configuração plena da prática de delito de corrupção ativa por parte da ré, ao oferecer vantagem pecuniária indevida à servidora pública [...], para que a mesma aprovasse irregularmente em exame para a obtenção da Carteira Nacional de Habilitação”.

Homem é condenado a 18 anos de prisão no CE após 16 anos do crime


Ele matou um garçom para se beneficiar de um seguro de vida fraudado.
Corpo do garçom foi encontrado com duas perfurações à bala na cabeça.

Do G1 CE
Foi condenado a 18 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado, o empresário Olavo Souto Leitão Júnior, proprietário da Churrascaria Picanha do Olavo. “Olavo da Picanha", como era conhecido, matou o garçom Francisco das Chagas Penha, em 14 de junho de 1998, para se beneficiar de um seguro de vida fraudado em nome da vítima de R$ 180 mil, valor hoje equivalente a quase R$ 1 milhão. A sentença foi proferida pelo juiz Antônio Jurandy Porto Rosa Júnior, da Vara do Júri da Comarca de Maracanaú, na Grande Fortaleza.
O corpo do garçom foi encontrado com duas perfurações à bala na cabeça, no km 48 do Contorno Rodoviário, Parque Jari, em Maracanaú. Logo após a conclusão do inquérito policial, os promotores de Justiça de Maracanaú ofereceram a denúncia contra os acusados, em 8 de junho de 1999, tendo como fundamentação a investigação produzida, à época, pela Abucham & Caiafa Assessoria de Seguro S/C Ltda, a pedido da Itaú Seguros (Itauvida Plus) e pela Polícia Civil.
O seguro foi contratado no dia 21 de janeiro de 1998, junto à RN Corretora de Seguros e Representações Ltda., de propriedade de Raimundo Nonato de Figueiredo Filho, que revelou a trama praticada pelo denunciado Olavo Souto Leitão Júnior, com a conivência de Maria Neci Ribeiro Faustino, que seria a beneficiária do suposto seguro de vida. Maria Neci Ribeiro foi julgada e condenada a 16 anos e 6 meses de prisão, em 2012.
Júri Popular
Na quarta-feira, dois anos após a condenação da primeira acusada do crime premeditado, foi a vez de Olavo da Picanha ir à Júri. A sentença, estabelecida pelo Juiz Antônio Jurandy Porto Rosa Júnior, foi decorrente da decisão proferida pelo Júri Popular, que acatou o pedido do Ministério Público do Ceará de condenação por homicídio triplamente qualificado: por motivo torpe; impossibilidade de defesa da vítima; e para conseguir vantagem em outro crime, no caso se apossar de seguro fraudado
.

Subtenente nega ter matado filho e tentado assassinar mulher no CE

Criança foi morta na madrugada de terça-feira (11), em Fortaleza.
Ainda no hospital, militar prestou depoimento nesta sexta-feira.

Verônica PradoDo G1 CE
Francilewdo ingeriu veneno para rato, aponta laudo (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução)Francilewdo negou ter matado filho e tentado matar
mulher (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução)
O subtenente do Exército Francilewdo Bezerra prestou depoimento formal durante quatro horas ao delegado Wilder Brito na tarde desta sexta-feira (28). O militar negou que tenha matado o filho e tentado assassinar a mulher. "Uma coisa é negar por negar. Ele negou, disse que não matou e apresentou argumentos que dão condições de investigação. Ele traça a rotina do dia de forma divergente do que foi dito pela mulher. Entre os pontos divergentes, está quando ela diz que ele sabia que ela tinha um amante e ele disse que nunca soube disso'', afirmou o delegado.
Segundo o delegado, ao ser perguntrado se havia alguém que se beneficiaria com a sua morte, o subtenente apontou a mulher como beneficiária direta. "Ele disse que além dos soldos, ela receberia um seguro do Exército que hoje está em torno de R$ 153 mil e ainda um outro seguro em nome do filho", diz. O delegado disse, ainda, que o casal passava por problemas no casamento "mas nada que justificasse tentativa de asssassinato", diz.
A partir de agora, os pontos divergentes vão ser analisados, segundo Wilder Brito, e todas as informações prestadas pelos dois vão verificadas para que a vericidade seja comprovada. "Se necessário, faremos uma acareação entre o subtenente e a mulher para que as dúvidas que ainda possam permanecer sejam esclarecidas", explica o delegado. A acareação ainda não tem data para ocorrer. 
Se acordo com o primeiro depoimento da mulher do militar, Cristiane Renata Coelho, o marido obrigou que ela e o filho ingerissem tranquilizantes com objetivo de matá-los e, em seguida, tentou suicídio com remédios, mas o laudo toxicológico no corpo do menino indicou que ele morreu por ingestão de veneno de rato. O filho foi sepultado no Recife, em 12 de novembro, um dia após o crime. O subtenente foi preso em flagrante e levado para o Hospital do Exército, onde ficou em coma por uma semana. A mulher foi ouvida novamente e está no Recife, onde tem familiares.
Na quinta-feira (27), o subtenente foi transferido para um apartamento do Hospital Geral do Exército, e a segurança em torno do suspeito foi mantida. "Eu pedi ao juiz que mantivesse a prisão do subtenente para preservar a vida dele. Se imaginarmos que ele não foi o autor desse crime, ele poderia correr risco de vida se não estivesse seguro, dentro de uma instituição militar. Para garantir a segurança, apenas três pessoas foram autorizadas a ter acesso a ele durante o coma", disse o delegado.
Após sair do coma, na segunda-feira (24), o militar foi ouvido informalmente pelo delegado Wilder Brito, responsável pelo inquérito. "Ele teve a reação que eu esperava ao saber dos fatos. Essa reação vai ser 'laudada' e anexada aos autos. Uma reação para um leigo não muita ou nenhuma importância, mas para mim, tudo é levado em conta", explica o delegado.
Mensagem em rede social
No perfil do militar no Facebook, foi deixada no dia do crime uma mensagem, apagada posteriormente, que dizia: "Té vendo essa mulher linda me pediu o divórcio. (...) Temos 2 filhos especiais vou levar um comigo obriguei ela a beber vinho com seus tranquilizantes p dormir e n vê o q vou fazer (sic)", disse. Em seguida, o subtenente pede perdão por matar o próprio filho. "Me perdoem família mas a carga ta grande demas e n aguento mais sfrer calado vendo essa mulher se anular a 10 ans (sic)".