domingo, 9 de novembro de 2014

FILTRAGEM DE ÁGUA

Nova tecnologia promete eficiência

Em tempos de estiagem, conseguir água potável no sertão tem sido difícil. Essa nova técnica pode ser a solução

Image-1-Artigo-1737966-1
O açude Souza, maior do município de Canindé, virou praticamente um lameiro. Com o produto purificador, é possível tornar a água barrenta potável
FOTOS: KID JÚNIOR
Image-2-Artigo-1737966-1
Image-0-Artigo-1737966-1
Image-3-Artigo-1737966-1
Canindé. Em meio à prolongada seca que há três anos atinge o Estado, o nível cada vez mais baixo dos reservatórios hídricos vem provocando a queda na qualidade da água consumida pela população. Localidades mais isoladas, que não têm acesso à rede de distribuição tratada, são as que mais sofrem.
Neste município, o açude Souza, maior da região, está com apenas 0,05% de sua capacidade, que é de 30.840.000 de metros cúbicos, segundo levantamento da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Estado (Cogerh). A barragem, praticamente seca, já serviu para abastecer a Cidade nos tempos de cheia.
Sem poder contar com sua mais importante reserva de água, os habitantes de Canindé dependem, hoje, de poços profundos para atender às necessidades básicas. Entretanto, não se pode garantir a pureza do líquido para beber. O problema não é restrito a esta região do Ceará, mas, recorre em várias bacias hidrográficas que estão com reservatórios em situação de volume morto, como a dos Sertões de Crateús.
Como tentativa de evitar doenças provocadas por consumo de água contaminada, as famílias que se encontram nesta situação costumam recorrer a mecanismos populares de despoluir a água, como o filtro de barro ou as pastilhas de cloro. Entretanto, há que se ter uma série de cuidados com o manuseio e a conservação destes produtos, uma vez que sua utilização inadequada pode comprometer a atuação antisséptica ou mesmo trazer danos à saúde, no caso da ingestão exagerada de cloro.
Inovação
Para tanto, uma inovação tecnológica de baixo custo, recém-chegada ao Brasil, promete resolver a questão de tornar própria a água ao consumo humano, de maneira simples e segura. Trata-se do LifeStraw, produto que possibilita a purificação por meio de uma membrana de ultrafiltração.
O mecanismo de fácil e utilização e sem necessidade de manutenção periódica, funciona sem a necessidade de energia elétrica ou água encanada, tendo capacidade de filtrar 18 mil litros de água, suficientes para uma família de cinco pessoas durante três anos.
A tecnologia foi desenvolvida e patenteada pela empresa suíça Vestergaard, que há dez anos cria produtos do segmento e está presente em dezenas de países que enfrentam dificuldade no acesso à água limpa, como México, Colômbia, Índia e Nigéria. A companhia tem atuação no Brasil há dois anos e começa a se difundir no mercado cearense.
A Prefeitura de Tauá, por exemplo, um dos municípios cearenses mais afetados pela seca, deu início a um projeto piloto em parceria com a empresa e adquiriu cem unidades do LifeStraw, com vista à distribuição para as famílias necessitadas.
"O tamanho de cada poro da membrana de filtração é de 20 nanômetros, e o menor dos vírus existente tem 32 nanômetros. Ou seja, retém até os menores micro-organismos existentes", explica a gerente de desenvolvimento de negócios da Vestergaard no Brasil, Valéria Ortega.
O primeiro produto da linha LifeStraw foi feito sob encomenda do "Carter Center", entidade humanitária norte-americana, para ser utilizada em países da África que sofriam com problemas ligados à contaminação da água. Era um canudo individual que filtrava a água e que funcionava muito bem.
O produto fez tanto sucesso que a empresa trabalhou no desenvolvimento de um mais avançado, que tivesse a capacidade de atender a uma família inteira e retivesse os vírus, resultando na versão "family", atualmente em difusão no Estado do Ceará.
"Após esgotar a capacidade de filtração, o produto para de funcionar automaticamente, não havendo risco de fornecer água contaminada, pois os poros ficam entupidos", esclarece André Pinheiro, diretor comercial da ITMF, distribuidora exclusiva da Vestergaard nas regiões Norte e Nordeste do Brasil.
O custo do produto do tipo familiar é de R$ 600, o que equivale a R$ 0,03 por litro de água.
FIQUE POR DENTRO
Como acontece o processo de purificação?
O LifeStraw foi desenhado para funcionar de maneira simples, sendo fácil de limpar e de manter. Para utilizá-lo, são indicados três passos:
1) Despejar a água suja na parte de cima (o reservatório tem capacidade para armazenar até dois litros). O líquido passa por um pré-filtro, onde ficam retidas as impurezas mais grossas, como partículas de poeira e restos de folhas, descendo em seguida pela membrana de ultrafiltração, que impede a passagem de vírus, bactérias e protozoários.
2) Colher a água purificada na torneira azul.
3) Fazer a "retrolavagem" para eliminar as impurezas retidas na primeira etapa, bombeando o bulbo vermelha e descartando a água que sai pela torneira de mesma cor.
Água com cheiro e gosto transforma-se em líquido cristalino, sem sabor ou resquício de odor que antes havia. A vazão é de 12 litros por hora, sendo quatro vezes mais rápido do que um filtro de cerâmica.
Mais informações:
ITMF - distribuidora da Vestergaard no Norte e Nordeste do Brasil
(85) 3388.1111
Atendimento@itmf.Com.Br
Bruno Mota
Repórter

Nenhum comentário:

Postar um comentário