quarta-feira, 22 de abril de 2015

PF investiga tráfico em pistas de pouso clandestinas no CE. Canindé está na relação

Em quatro dias, foram dois casos descobertos pela Polícia em que o tráfico de drogas utilizou aviões para inserir entorpecentes no Ceará. Em ambos, as entregas foram frustradas. No primeiro caso, um monomotor caiu na divisa do Ceará com o Piauí, no dia 11. Já na segunda ocorrência, na terça-feira (14), a aeronave pousou em Boa Viagem e Canindé, chegou a fazer uma entrega, mas foi interceptada. Após os episódios, a Polícia Federal disse que está intensificando a atuação em busca de localizar pistas de pouso clandestinas em propriedades particulares.

O titular da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Polícia Federal, Janderlyer Gomes, ressaltou que os trabalhos são direcionados para localizar os locais clandestinos. Fazendas, sítios e demais terrenos particulares estão, agora, na mira da PF.

"A Polícia Federal investiga outras notícias de pistas de pouso. É uma preocupação nossa e uma investigação que iremos enfrentar. A gente espera desenvolver bons trabalhos nesta seara, com essas quadrilhas que atuam, a partir dessas informações que colhemos e outras. Toda notícia dessas pistas clandestinas construídas em áreas de propriedades particulares, fazendas do Interior, é bem vinda pra gente", disse.

A reportagem esteve em Canindé, na pista de pouso utilizada pela quadrilha que transportava 400 kg de cocaína na aeronave monomotor Cessna-210, modelo Centurion II, prefixo PP-FFU. O local, de 1,2 km de extensão, fica a 2 km de distância da rodovia BR-020 e a cerca de 4 km de um posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O acesso, feito por uma estrada carroçável, é de conhecimento da população local.

Por ocasião da interceptação do avião na terça-feira, muitos foram ao local conferir o veículo de perto. Curiosos, os populares comentavam que não suspeitavam que aquele local fosse utilizado pelo tráfico. Contudo, relatam que a pista era frequentemente visitada. "Às vezes, quando escuto o barulho dos 'bichin', venho ver 'baixar'. Já vi descer 40 pessoas de uma vez", afirmou um agricultor.

Controvérsia

O terreno pertence à Prefeitura de Canindé desde a década de 50. Por telefone, o prefeito da cidade, Celso Crisóstomo, confirmou que há a previsão de transformar o espaço em um Aeroporto Regional. "Desde 1958 já temos a área e em 2014 desapropriamos para expandir a nossa capacidade de pista. Estamos entre 70 aeroportos com recursos configurados para 2015, do Brasil inteiro", afirmou.

Conforme populares, a pista é utilizada também durante os períodos de romaria à cidade, informação confirmada pelo prefeito. Segundo Crisóstomo, o local não está irregular e a Prefeitura, inclusive, fornece apoio quando solicitado para a realização de pousos. "A pista faz parte do sistema de Aeroportos. Não é clandestina, não é informal. Quando solicitam, enviamos Guarda Municipal para auxiliar lá. Ela faz parte do mapa de pequenos aeroportos, e quem é responsável por ela é o Departamento Estadual de Rodovias (DER)", disse.

Em contato também por telefone, o DER negou que possua responsabilidade sobre o terreno. Segundo o órgão, a pista não é homologada.

Em nota, a Agência Nacional de Aviação (Anac) afirmou que "não há registros de pista de pouso autorizada ou cadastrada na localidade indicada, até o momento". A pista de Canindé também não aparece no site da entidade. Da mesma forma, as pistas descobertas pela Polícia em Boa Viagem e Crateús também não constam nas tabelas de pistas particulares ou públicas existentes na página da Anac.

"Quando a Agência identifica, por meio de fiscalizações ou denúncias, locais não registrados, adota as providências cabíveis para punir pela infração cometida (...) A fiscalização sobre eventual utilização irregular de pista é uma das atribuições da Anac e as ações sobre segurança do transporte aéreo são a prioridade da Agência", enfatizou o órgão, através de nota.

Prisões

No dia da operação, acabaram presos, o piloto da aeronave Cléber Paulo da Silva; e o taxista Antônio Cícero Cruz Silva. Na última sexta-feira (17), Jeferson Domingos Franco, o 'Jefinho', homem apontado como envolvido no tráfico da droga localizada em Canindé e que estaria no avião juntamente com Cléber, foi encaminhado para Fortaleza, onde prestou depoimento, na sede da Polícia Federal, no Bairro de Fátima. Segundo o delegado Janderlyer Gomes, o suspeito negou as acusações.

"Ele diz que não sabe de nada, apesar de todas as evidências. Agora é investigar, iniciar a parte de inteligência. São 30 dias para avançar nas investigações que podem ser prorrogadas por mais 30. O caso está na Justiça Federal", afirmou.

O homem foi localizado após confronto de imagens de câmeras de segurança e do Facebook. Segundo a Polícia, ele foi reconhecido por testemunhas. "Ele pegou o táxi em Canindé e veio a Fortaleza. Aqui entrou em contato com parceiros em outros Estados. Em Mato Grosso, foi adquirida uma passagem de avião, paga em dinheiro, para ele. Com imagens do Aeroporto Pinto Martins identificamos a pessoa, comparando horários de embarque, os trechos, e detectamos o voo. Comparamos as imagens e dados do voo com o que encontramos no avião. Havia uma coordenada geográfica de uma cidade da Bolívia próxima da fronteira com o Mato Grosso que foi encontrada no avião", detalhou.

O suspeito foi preso em São Paulo, quando tentava embarcar em outra aeronave para Goiás. Trazido para Fortaleza, está recolhido na Delegacia de Capturas e (Decap).

Levi de Freitas
Repórter Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário