terça-feira, 26 de setembro de 2017

Agente e detentos são feridos em penitenciária

Os problemas na CPPL II são recorrentes. Nos últimos meses foram registradas rebeliões, mortes e descobertas de túneis. Segundo o Sindasp, o baixo efetivo de agentes e a estrutura interferem na segurança ( Foto: Nah Jereissati )
Um agente penitenciário e dois detentos ficaram feridos, durante uma tentativa de resgate ocorrida, na madrugada de ontem, na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinto (CPPL II), localizada no Complexo Penitenciário Itaitinga II. A ação criminosa desencadeou um confronto armado e o profissional e os detentos acabaram sendo alvejados por tiros. Ninguém conseguiu fugir.
De acordo com a Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado (Sejus), por volta das 3h, os agentes penitenciários e policiais militares, que ocupam as guaritas da unidade, identificaram um grupo de homens no matagal em torno da Penitenciária. Eles deram um tiro de advertência, mas foram surpreendidos por muitos disparos de arma de fogo vindos de fora do Complexo.
Segundo a Pasta, os disparos efetuados pelos criminosos feriram o agente e os dois internos, identificados como Sebastião Morais dos Santos, 22, que responde por roubo; e João Victor da Silva, acusado de homicídio. Ainda de acordo com a Sejus, nenhum dos baleados corre risco de morte.
O agente penitenciário foi atingido na região da virilha. Ele foi encaminhado para atendimento no hospital, mas já recebeu alta. Os dois detentos também foram conduzidos ao hospital e estão fora de perigo.
Conforme o Sindicato dos Agentes e Servidores Públicos do Sistema Penitenciário do Estado do Ceará (Sindasp-CE), a tentativa de fuga aconteceu na Rua C da unidade. Enquanto estava em uma das 16 guaritas da muralha, o agente penitenciário observou a movimentação dos presos e desceu para fazer a contenção. Ao descer, foi surpreendido por um grupo de criminosos que portava armas de grosso calibre.
"Ele foi pego por um grupo que estava auxiliando a fuga. Foi baleado e veio ao chão. Não teve mais como reagir. São 16 guaritas e no momento dessa ação havia cinco agentes cobrindo a parte externa. O baixo efetivo de profissionais e a estrutura interferem para essa segurança precária", disse o diretor do Sindicato, Natanael Andrade.
Estrutura
Andrade conta que esteve na CPPL II durante a tarde de ontem e constatou que os equipamentos de uso dos servidores estão sucateados. De acordo com o diretor, a Sejus consertou parte da estrutura da Penitenciária, mas os presos quebraram novamente. Na tentativa de evitar ações como a de ontem, a categoria também reivindica que seja retirado o matagal dos arredores da unidade.
"O mato tem que ser aparado para melhorar a visão. Precisamos de equipamento, treinamento e um efetivo de qualidade. Infelizmente, esse cenário de insegurança se repete nas outras unidades e não é só nas penitenciárias grandes. Até nas cadeias falta efetivo", completa Natanael Andrade.
A reportagem questionou a Sejus sobre quem seriam os detentos a serem resgatados, mas a Pasta informou que este ponto ainda está sendo investigado. O Sindicato também informou não saber qual preso se beneficiaria com a fuga. Para Andrade, esta informação deve auxiliar no resguardo de "prováveis tentativas futuras".
Os problemas na CPPL II são recorrentes. Nos últimos meses foram registradas rebeliões, mortes e descobertas de túneis. No dia 15 de agosto de 2017, um detento morreu na unidade. O corpo de Hélio de Sousa Cabral foi encontrado com sinais de espancamento na Vivência C.

Nenhum comentário:

Postar um comentário