terça-feira, 24 de outubro de 2017

Mulher detida com mais de 100 documentos falsos


A quadrilha, que teve origem no Ceará, também atuava em, pelo menos, mais três estados do Nordeste: Maranhão, Piauí e Rio Grande do Norte ( Foto: Saulo Roberto )


Uma mulher que foi flagrada com mais de 100 documentos de identificação falsos, no município de Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), foi detida, na última sexta-feira (20), pela Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF). A prisão da estelionatária expôs uma quadrilha especializada em saques de benefícios do Programa de Integração Social e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep).
Segundo o titular da DDF, delegado Jaime Paula Pessoa Linhares, a Polícia chegou a Maria Iana Bezerra de Sousa, 27, que estava na casa dela, no bairro Novo Maranguape, a partir de informações obtidas e investigação. O objetivo da diligência policial era prender também o marido dela, Franciedson da Silva Leite. Porém, ao abordar a mulher, os policiais descobriram que o suspeito estava detido há cerca de 20 dias, em Natal, no Rio Grande do Norte, por ter tentado aplicar o mesmo golpe em uma agência da Caixa Econômica Federal (CEF).
Com Maria Iana, a DDF apreendeu mais de 100 documentos de identificação - entre identidades e Carteiras Nacional de Habilitação -, cartões de crédito, cartões de lojas e 24 comprovantes de saque do PIS/Pasep, que totalizam R$ 22.488. Entretanto, a investigação aponta que os valores subtraídos pela organização criminosa são maiores.
A mulher responderá por estelionato, falsificação de documento público, falsificação de documento particular, uso de documento falso, falsidade ideológica e formação de quadrilha. Maria Iana foi detida há um mês, por receptação, mas foi solta em uma audiência de custódia.
Os documentos falsos apresentaram a repetição da foto de cinco pessoas, além de Maria Iana e o marido Franciedson Leite, o que levantou a suspeita da Polícia de que sejam outros integrantes da quadrilha.
Quadrilha
Duas mulheres foram identificadas pela estelionatária detida apenas como 'Negona' e 'Vânia', enquanto um homem se chamaria 'Tiago'. A investigação conta com a ajuda da população para identificar os suspeitos.
Em depoimento, Maria Iana afirmou que 'Tiago' seria o líder do grupo criminoso e ficava com 50% do lucro obtido nos golpes. Porém, o delegado Jaime Paula suspeita que ela seja a verdadeira 'cabeça' do esquema, já que estava na posse da centena de documentos falsificados.
Interestadual
A quadrilha, que teve origem no Ceará, também atuava em, pelo menos, mais três estados do Nordeste: Maranhão, Piauí e Rio Grande do Norte. Segundo Maria Iana, os criminosos tinham acesso aos dados pessoais das vítimas através de uma fonte que residia em São Paulo, conhecido apenas como 'Gordo'.
Conforme o titular da DDF, a especialização da organização criminosa em sacar o benefício do PIS/Pasep se dava por ser um dinheiro garantido, que eles obtinham facilmente, nas agências bancárias. Mas o ganho da organização criminosa se dava também em compras no comércio, no nome das vítimas. A Polícia Civil investigará se o grupo aplicava outros golpes.
"O nome (da vítima) pode ser aleatório, desde que tenha uma procedência e não esteja 'negativado' (com dívida em atraso). As vítimas são do Brasil inteiro. Hoje em dia, sabemos que o fato de você ter uma conta em São Paulo não impede que esteja movimentando aqui. Infelizmente, o que dificulta a investigação é exatamente isso", explicou o delegado Jaime Paula Pessoa.
Fonte: DN

Nenhum comentário:

Postar um comentário