quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Helicóptero com cúpula do PCC decolou da Praia do Futuro


As viúvas de ‘Gegê’ e ‘Paca’ receberam o apoio da mulher de Roberto Soriano, o ‘Tiriça’, outro líder da facção paulista, em Fortaleza ( Foto: Thiago Gadelha )
As mortes dos principais líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), em liberdade, Rogério Jeremias de Simone, o ‘Gegê do Mangue’; e Fabiano Alves de Souza, o ‘Paca’, não deixaram só a Polícia cearense em dúvida, mas os próprios membros da facção. A cada fato novo, a certeza de que nem as vítimas, nem ninguém esperava por esse desfecho. Tanto é que, segundo uma fonte da Polícia Civil, ‘Gegê’ e ‘Paca’ embarcaram em um helicóptero, no dia 16, na Praia do Futuro, junto com os executores para um voo panorâmico.
> Camilo quer que o Ceará sedie Centro de Inteligência A fonte ligada às investigações confirma que a aeronave era alugada apenas para o passeio, que acabou sendo definitivo para os criminosos paulistas. O policial civil revelou que seis pessoas entraram no helicóptero no hangar próximo à praia. 
A mulher conta que todo mundo, com exceção de ‘Gegê’ e ‘Paca’, voltaram para São Paulo em um ônibus fretado, no mesmo dia em que eles foram executados. Andrea conta que recebeu uma foto de ‘Gegê’ em que aparecia o mar. Horas depois soube dos assassinatos. 
A versão confirma o que a mulher de ‘Gegê’, Andrea Soares Maciel, declarou em depoimento à Polícia. Ela afirmou que acredita que os executores eram pessoas próximas, pois nem ela sabia com precisão onde o marido estaria no momento. Andrea teria chegado em Fortaleza em setembro do ano passado. No fim do ano, chegaram Juliana, a mulher de ‘Paca’; a irmã, a mãe e os dois filhos de ‘Gegê’. As duas famílias ficaram na casa comprada pela facção, no Alphaville Fortaleza, no Porto das Dunas.  Na Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), Andrea Maciel chorou. Disse que a família levava uma vida tensa. Afirmou que a casa em que estavam era alugada. Porém, as histórias de pessoas que tiveram contato com ‘Gegê do Mangue’ sugerem que ele não estava aqui de passagem. 
De 2017, quando chegaram para se instalar no Ceará, até o momento, ‘Gegê’ e ‘Paca’ já haviam gastado, pelo menos, R$ 8,6 milhões, em quatro imóveis e cinco veículos luxuosos. 
Um morador do condomínio do Porto das Dunas afirma que ele se apresentava como João Paulo. “Ele e o amigo estavam sempre juntos. Esses carros de luxo também estavam sempre na frente da casa. Via esse rapaz aqui desde o começo do ano passado. Sumia uns dias, mas considero que era um morador, levando em conta a frequência com que o via aqui”, afirmou.  Outra pessoa que frequenta o condomínio revelou que ‘Gegê’ não era muito de conversar, mas era sempre educado com os vizinhos. “Era um cara boa praça”, resumiu. Há também um entregador que diz ter recebido R$ 30 reais de gorjeta das mãos do criminoso e lamentou sua morte. ‘Tiriça’  A ‘gerência’ de Rogério Jeremias estava incomodando o restante da cúpula do PCC, por conta dos gastos excessivos e, por possíveis desvios do dinheiro da facção. Embora ainda não se possa afirmar que a ordem para as mortes partiu do líder máximo, Marcos Willians Herbas Camacho, o ‘Marcola’, esta é uma das principais linhas de apuração. 
“Não vejo como um racha, por enquanto, mas precisamos ver os desdobramentos dessas ações e aonde isso tudo vai levar. Essa morte vai ter que ficar muito bem explicada. Que foi determinada pela cúpula do PCC, não tenho dúvida, mas eles vão ter que explicar, inclusive para outros integrantes importantes, como o Soriano e o Abel Pacheco de Andrade, porque houve esse assassinato”, disse Gakiya. 
O promotor de Justiça Lincoln Gakiya, do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), do Ministério Público de São Paulo (MPSP), diz que o fato ainda precisa ser explicado ao restante da cúpula, inclusive a Roberto Soriano, o ‘Tiriça’, que era muito próximo de ‘Gegê’ e ‘Paca’, e também faz parte da cúpula do PCC.  Segundo Gakiya, a mulher que aparece ao lado de Andrea e Juliana, no dia da liberação dos corpos, no prédio da Perícia Forense do Ceará (Pefoce), se chama Fabiana e é a mulher de ‘Tiriça’. “ A amiga que esteve no Ceará é a Fabiana, esposa desse outro líder. Soubemos que ela foi prestar apoio, quando soube das mortes. As mulheres dos mortos não estavam morando com eles, nós vínhamos monitorando-as”. Se a morte dos criminosos foi ordenada pela cúpula da facção, e, mesmo assim, Fabiana (esposa de um líder) estava aqui dando apoio às amigas viúvas, as coisas na ‘sintonia geral final’ do PCC podem já não ter mais a mesma harmonia de antes.  À Polícia, Andrea Maciel disse que o marido não tinha problema com ‘Marcola’ e que, poucas horas antes do assassinato, ainda estavam juntos. Ouvido 
O representante do MPSP afirmou que ainda não há nenhum pedido da Polícia cearense para ouvir ‘Marcola’. O fato foi confirmado pelo policial civil que conversou com a reportagem. “Quatro delegados estão trabalhando no caso. Todos aqui, ninguém foi para São Paulo. Nenhuma prisão foi pedida, nem mesmo dos ‘laranjas’ identificados”. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário