sexta-feira, 6 de julho de 2018

Ceará vai receber maior Laboratório de Segurança Pública da América Latina

Resultado de imagem para laboratorio de segurança publica
O Estado do Ceará vai contar com o maior laboratório de segurança pública da América Latina. O Laboratório Integrado de Segurança Pública (Lisp) terá a pedra fundamental lançada, nesta quinta-feira (5), com a presença do governador Camilo Santana, do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, e do diretor geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Renato Dias. O equipamento é resultado de uma parceria estabelecida entre o Governo do Estado, por meio da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), e o Ministério da Segurança, por meio da PRF.

Durante o seu discurso, o ministro Raul Jungmann ressaltou o pioneirismo do Ceará na iniciativa e como o Estado se destaca como protagonista no uso de tecnologia no combate ao crime: “O Lisp será, sem sombra de dúvidas, um modelo para todo o País. O Ceará estará dando o rumo daquilo que nós queremos nos termos de laboratório de inteligência, com big data, aliada a todas as forças. A tecnologia é a ferramenta que temos que utilizar para combater o crime organizado, e esse lançamento, hoje, é um exemplo da garra e da capacidade da PRF, da SSPDS e também da UFC, porque junto construíram essa ferramenta, que levaremos para todo o País. Esse é um projeto revolucionário e fantástico, e eu assumo o compromisso de levá-lo para todo o Brasil”, frisou.

O Lisp funcionará na atual sede da Polícia Rodoviária Federal no Ceará, que passará por ampla reforma. Com a chegada do laboratório, as instituições que trabalham dados e pesquisas de segurança terão um local para atuarem em conjunto, facilitando a troca de experiências e fomentando ainda mais a integração. O prédio do laboratório será construído em aço, o que gera menos resíduos de construção, terá energia por captação solar e armazenará água da chuva, de forma a ser ecologicamente sustentável. O equipamento será construído e equipado com recursos da PRF, que somarão em torno de R$ 100 milhões. Outros R$ 20 milhões, sendo R$ 8,5 milhões do Estado, estão sendo investidos no pagamento de bolsas de pesquisadores ligados à Universidade Federal do Ceará (UFC), que já estão atuando no projeto Segurança Pública Integrada (SPI). No local, atuarão servidores e colaboradores da SSPDS, PRF e da UFC.

“A questão da segurança é um grande desafio para todos nós e é importante integrar, cada vez mais, as instituições. É preciso ainda inovar e avançar na pesquisa e no uso de tecnologias. Quando fomos apresentados ao projeto, não titubeamos e logo garantimos os recursos para a realização desse trabalho pioneiro aqui no Ceará. Não tenho dúvida que o Lisp será o melhor laboratório de segurança pública da América Latina e servirá de instrumento de orientação e estratégia para o trabalho policial e o combate à violência no Ceará e no Brasil”, ressaltou o governador do Ceará, Camilo Santana, durante a solenidade. 

Pioneirismo

O SPI, que está em pleno desenvolvimento, tem colocado o Ceará em posição de destaque frente a outras unidades da federação no que diz respeito à integração de bases de dados de segurança de diferentes órgãos das esferas federal, estadual e municipal. Atualmente, cerca de 200 profissionais, entre pesquisadores da UFC e policiais pesquisadores, trabalham na iniciativa. Esse número deve chegar a 250 até o fim do ano. O projeto teve início com uma ferramenta tecnológica da PRF que era utilizada, até então, somente no combate aos crimes no âmbito das rodovias federais – o Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia). A partir da parceria iniciada com a SSPDS, em maio de 2017, trabalhou-se a ideia pioneira de empregar essa mesma tecnologia dentro dos grandes centros urbanos, partindo do pressuposto de que o crime, especialmente o roubo e o homicídio, se utiliza do veículo automotor para seu sucesso e fuga.

“Hoje é, sem sombra de dúvidas, um grande marco e um divisor de águas na segurança pública no Brasil. O Ceará sai à frente, com uma parceria com o governo federal que tem fomentado e buscado recursos e apoiado projetos visando promover uma efetiva integração. O Lisp será um grande big data que vai centrar esses dados que irão, de forma ágil e através da tecnologia, fortalecer resultados que já são realidade. Apesar de hoje ser o lançamento da pedra fundamental, esse projeto, o SPI, já está em funcionamento em 21 cidades do Ceará e especialmente em Fortaleza. Com isso, mês a mês, nós temos apresentado bons resultados nos índices de criminalidade no Ceará”, destacou Renato Dias, Diretor-Geral da PRF. 

Para aprimorar trabalho de investigação e inteligência das forças de segurança do Ceará, foi aproveitada a expertise da PRF em tecnologia de segurança pública, aliada a conhecimento em TI, investigação e inteligência da SSPDS para criar um Big Data da segurança pública do Ceará. Em seguida, pesquisadores da UFC se juntaram ao projeto. Cerca de 50 sistemas dos órgãos de segurança pública do Estado passaram a ser remodelados para que estes pudessem alimentar, em tempo real, o Big Data Odin e facilitar o processo de investigação, inteligência e tomada de decisão. Todas essas informações do Big Data, que será capaz de analisar cerca de 3.000 tipos de dados diferentes, ficarão à disposição dos gestores através do painel analítico Cerebrum. Esse trabalho, que hoje é feito em vários locais diferentes, será realizado no Laboratório Integrado de Segurança Pública (Lisp), cujo lançamento acontece nesta quinta-feira (5).

Com escalabilidade e elasticidade suficiente para tratar milhões de dados em milésimos de segundos, o Big Data Odin, que utiliza o painel analítico Cerebrum para mostrar o tratamento de dados, deve trazer a gestão da segurança pública no Brasil a outro patamar de governança, permitindo o acompanhamento e gestão em tempo real das mais diversas políticas de segurança pública. Foram cerca de 50 sistemas reestruturados para alimentar, em tempo real, o Big Data da segurança pública do Ceará, que deve começar a operar em agosto deste ano.

O secretário da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, André Costa, o Diretor-Geral da Polícia Rodoviária Federal, Renato Dias, e a equipe técnica da PRF, que tem trabalhado no Segurança Pública Integrada (SPI), apresentaram o projeto ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, no último dia 28 de junho, em reunião no Rio de Janeiro. O projeto pioneiro, que vem sendo desenvolvido e posto em prática no Estado do Ceará, prega a análise de inteligência policial com o uso de tecnologia e integração de câmeras para desenvolvimento de estratégias contra a criminalidade. A iniciativa vem apresentando resultados expressivos, como por exemplo, no auxílio da melhoria de índices criminais – os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), os Crimes Violentos Contra o Patrimônio (CVP) e, especificamente, o roubo de carros. A reunião com o ministro Raul Jungmann selou a implementação do Lisp no Estado do Ceará. 

“Muitas vezes nos chegaram propostas de sistemas adaptados para a segurança, mas algo fora de um contexto e da estratégia da nossa segurança pública. E aqui, nós buscamos construir as nossas próprias ferramentas diante das nossas necessidades. Apostando nos nossos pesquisadores, nos nossos estudiosos e na nossa força de trabalho. A gente vem pelo terceiro mês seguido na redução dos homicídios no Estado e pelo quarto mês de redução na Capital, além da diminuição nos demais crimes como os de roubo de carga, de veículo e a banco. Os indicadores positivos se devem, principalmente, a essas ferramentas e inovações. Nós formatamos, aqui no Ceará, uma nova segurança pública para o País”, finalizou André Costa. 

Referência

Nesse meio tempo, vários estados, conhecendo o sucesso do que está sendo implantado no Ceará, começaram a demandar a PRF para o desenvolvimento de iniciativas parecidas as que estão sendo implantadas em solo cearense. Com cerca de 12 estados com início de tratativas com a PRF, sendo três com a tecnologia em teste, o Ceará se consolidou como pioneiro e exportador de modelos estratégicos de segurança pública. Esse fato chamou a atenção do governo federal que viu no Estado um sólido, estruturante e robusto projeto de integração e governança de dados.

Com a visão de estabelecer-se como referência no Brasil e no mundo em estudos e pesquisas em segurança pública e gestão, o Lisp nasce com a missão de auxiliar na integração dos diversos atores nacionais da segurança pública ao Sistema Único de Segurança Pública (Susp), realizando diagnósticos, propondo e desenvolvendo soluções para os mais diversos desafios contemporâneos e futuros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário