quarta-feira, 25 de julho de 2018

Polícia Militar ocupa mais de 10 áreas disputadas por facções criminosas


"Mais de dez áreas disputadas por facções criminosas em Fortaleza estão sendo ocupadas por bases da Polícia Militar em ação coordenada pela Secretaria de Segurança pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS). 
A reportagem é do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT.

A Escola André Luis, no Bairro Jangurussu, em Fortaleza, já foi alvo de furtos e ameaças de invasão. Moradores relatam que a situação só melhorou após a chegada do posto policial, há seis meses, na comunidade Gereba, localizada entre os bairros Jangurussu e Passaré.

Ainda assim, as pessoas têm medo e não querem se identificar ao falar sobre o assunto. Testemunhas relataram à reportagem que as ameaças foram feitas em áudios, mas afirmam que nunca houve invasão da escola.

As áreas são ocupadas como forma de combate ao crime organizado, principalmente regiões onde conjuntos habitacionais são visados por facções pela disputa de território e domínio do narcotráfico na capital. O trabalho de territorialização, coordenado pela Secretaria de Segurança Pública, também envolve ações sociais nas comunidades. “Música, karatê, orientação sobre dicas de segurança”, explica o capitão da PM Messias Mendes.

De acordo com a SSPDS, esse policiamento tem regime de 24 horas e vem sendo expandido para pontos estratégicos, o que inclui os conjuntos habitacionais. Outras bases da Polícia Militar, como a da comunidade Gereba, estão situadas nas comunidades Babilônia, Jagatá e nos residenciais Alameda das Palmeiras, Maria Tomásia e José Euclides Ferreira Gomes, de onde foram expulsas 52 famílias. Todos esses locais ficam no chamado Grande Jangurussu.

O Conjunto Palmeiras, bairro com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Fortaleza, integra o Grande Jangurussu e é considerado berço da Guardiões do Estado: facção criminosa apontada como autora da maior chacina da história do Ceará. Minutos antes da Chacina das Cajazeiras, em janeiro, houve denúncias de moradores do Palmeiras e do Jangurussu indicando a presença de homens da GDE atirando para cima. 

A mesma facção tem expulsado famílias de residenciais do Minha Casa Minha Vida. “A gente está mexendo naquilo que seria a essência da própria facção. Eles precisam ter esse vínculo com o território e, quando o Poder Público chega, ele tira a matéria-prima do crime, que é o território”, explica Messias Mendes.

A ocupação da PM também está presente nos bairros Vila Velha, Alto da Balança e Praia de Iracema. No Residencial Cidade Jardim, no José Walter, e nas comunidades do lagamar, no São João do Tauape, do Sossego, no Quintino Cunha, e na Lagoa do Urubu, que fica entre os bairros Floresta, Padre Andrade e Álvaro Weyne. Segundo a SSPDS, essas bases devem ser transformadas em Unidades Integradas de Segurança, as Unisegs."

Nenhum comentário:

Postar um comentário